O nome de Deus tem sido empregado por toda parte. Adesivos em veículos terrestres, cartazes, “outdoors” e vários tipos de mensagens nas diversas mídias na Internet e programas de rádio e TV.

Parece tão “fofinho” enviar uma mensagem virtual já pronta através dos aplicativos de celulares... cada uma mais bonita do que a outra! Em “outdoors”, vemos pessoas agradecendo a Deus por um bem material, concursos e aniversários. Outras passam horas ligadas na programação de emissoras, ditas religiosas, na televisão ou nos programas de rádio.

Eles querem abastecer-se da Palavra, mas seria essa uma boa estratégia para trabalhar pelo Reino de Deus? Só com palavras e imagens? É certo que em muitas situações essas mensagens trazem palavras de esperança e de fé, e até apontam um caminho. Estariam errados em proclamar a Palavra dessa forma? Eu diria que a maneira está incompleta.

Os gestos efetivos de fé, amor, compreensão, perdão, tolerância e partilha, devem estar no dia a dia, e eles precisam ser o estímulo concreto para que o receptor da mensagem encontre aquilo de que necessita para superar seus revezes.

Num tempo de tanto desemprego, epidemias, caos na saúde pública, instabilidade política e financeira, numa época em que a violência vem alcançando níveis insuportáveis, é possível que cada indivíduo esteja atingido de alguma forma negativa.

 Encaminhar mensagens de estímulo da fé em Jesus pode ser muito bom, entretanto, talvez aquela pessoa precise mais do que ler mensagens, e, por seu estado de prostração e angústia, é provável que não consiga assimilá-las. Ela pode estar precisando simplesmente desabafar, e, ao perceber que existe solidariedade também através de palavras diretas, saídas do “feedback” que uma boa conversa pode ocasionar, isso seja o grande diferencial na vida dessa  pessoa. Que tal pegar o teclado, o telefone ou fazer uma visita e dizer: “ Olá, em que posso te ajudar?”

Não se pode auxiliar a todos, isso é certo, mas, às vezes, nosso vizinho, parente ou amigo pode precisar de uma indicação, uma nova visão para o seu problema, ou até, quem sabe, de uma cesta básica.

 

E, dessa forma, além da mensagem, podemos contribuir de tantas maneiras mais eficazes.  Falar de Deus através de gestos concretos às vezes dá um pouco mais de trabalho, mas é gratificante! Rezar por aqueles que agora sofrem, exerce poder e influência imensuráveis sobre o espírito em agonia. Fazer a catequese da misericórdia de Deus é demonstrar que Ele age também através de nós para semear o Amor e a Esperança.