Vox Dei nº 408 de 17 de julho de 2016

No mês de julho o verão amazônico combinado com as férias escolares leva muitas pessoas a saírem da cidade em busca de cidades praianas, rios, igarapés ou para lugares mais distantes justamente onde a temperatura cai, fugindo um pouco do calor abrasador.  Neste período, as atenções geralmente são voltadas para as crianças e idosos justamente pelo aumento de temperatura que contribui acentuadamente para o aparecimento de doenças do trato respiratório. 

Essa é uma época onde as roupas que vestimos devem ser de tecido leve, a hidratação deve ser contínua a base de água e suco de frutas. Deve haver também a preocupação com a proteção contra os raios solares Ultra Violetas (UV-A e UV-B). Os raios UV nocivos são mais intensos no verão, em altas altitudes e perto do equador. Os efeitos nocivos dos raios aumentam também por causa do vento e do reflexo na água, areia e neve. Mesmo em dias nublados a radiação UV atinge a Terra.   Assim, devemos proteger a pele e os olhos. Muito cuidado com os óculos adquiridos nos camelôs e vendedores de praia, eles geralmente não oferecem proteção alguma e ainda prejudicam os olhos e consequentemente, a visão.

Nesse tempo de verão, é claro que a alimentação também merece atenção. Atualmente, há muitas opções de comidas vendidas nas praias e em quiosques, onde o calor pode alterar a composição dos alimentos fazendo com que estes estraguem mais rapidamente pela ação de microorganismos. Portanto, muito cuidado! Comidas leves, frutas, legumes e verduras são mais saudáveis. O apelo das frituras para servir de tira-gosto, aliado ao excesso de bebidas alcoólicas podem acabar com as férias.

Jovens e adolescentes merecem uma atenção especial. Estes, geralmente entendem que o tempo de férias serve para deixar qualquer compromisso de lado, e então acabam se expondo a muito sol, noites em claro, esportes radicais sem as devidas precauções. Velocidade, drogas ilícitas, sexo e promiscuidade podem trazer arrependimentos para o resto da vida. Vamos viver o lazer com responsabilidade!

Descansar da rotina, diminuir o ritmo, e até quem não pode viajar pode fazer tantas coisas igualmente prazerosas na cidade mesmo. Passear despreocupadamente, ler um bom livro, fazer maratona de séries e filmes, tomar sorvete, aprender a cozinhar, pintar, desenhar, enfim.

As crianças podem aprender, finalmente, a brincar de bola de gude, pular macaca (amarelinha) ou pular corda, fazer uma trilha no Parque Zoo-botânico (antigo Bosque Rodrigues Alves), Museu Goeldi, e tantas outras atrações e lugares turísticos na própria cidade.

Tudo isso sem esquecer que não se tira férias de Deus. Não podemos deixar de ir à missa onde quer que estejamos. Fazer as orações diárias, praticar a caridade e solidariedade, para voltar revigorado às atividades rotineiras.  Boas Férias!!!!