Vox Dei nº 411 de 07 de agosto de 2016

Esperando continuamente a chegada imprevisível do Senhor que serve, a comunidade cristã deve permanecer atenta, concretizando a busca do Reino através da prontidão para o serviço fraterno. A responsabilidade é ainda maior quando se sabe o que deve ser feito. O Evangelho de hoje nos traz a temática da vigilância! Precisamos estar preparados, pois se soubéssemos que hoje é o último dia de nossas vidas, o que faríamos? Quantas respostas não?... Uns diriam: “Eu correria para a Igreja a fim de fazer uma boa confissão”. Outros: “Eu perdoaria a todas as pessoas que me ofenderam”; “Eu iria pedir perdão a todos aqueles a quem ofendi”, ou, “Eu iria repartir com os pobres os meus bens”.

Irmãos e irmãs, como é importante refletirmos diariamente a respeito dessa temática, pois, ao criar o mundo, Deus deu ao homem e à mulher uma missão e os capacitou para cumpri-la. Dessa maneira, somos aqui na terra cooperadores do Seu reino e estamos a serviço da casa do Senhor. Todos nós que, pela Fé, assumimos a salvação de Jesus e perseguimos continuamente a conversão, somos administradores do reino do céu que deseja se instalar na terra, seja na nossa família, na comunidade ou no mundo todo. Deus almeja dar a nós, Seus filhos e filhas, uma melhor qualidade de vida, fazendo com que todos participem aqui na terra, de uma vida abundante. Ele nos chamou para que sejamos Seus operários, cuidando do povo que ainda não provou da comida e da bebida que Ele oferece ao mundo.

Seremos considerados Seus fiéis e prudentes administradores, se formos encontrados no lugar exato onde Ele deseja que estejamos. Porém, se nos desviarmos do caminho e, por qualquer motivo, deixarmos para depois o que precisamos fazer hoje, seremos pegos de surpresa pelo Senhor que chegará num dia inesperado, e, assim, sofreremos as consequências da nossa insensatez. A prudência nas atitudes, a coerência de vida, a tomada de consciência do nosso dever, e da nossa missão, são condições para que possamos viver com inteligência a nossa condição de “administradores” fiéis do projeto de Deus. Vivemos com sabedoria quando trabalhamos para aumentar os nossos dons e evitamos o desperdício, a acomodação e a passividade diante dos fatos que nos impõem uma ação concreta de amor. Quanto mais conhecimento tivermos dos mistérios de Deus, mais receberemos condições de vida em abundância e, por isso, muito mais seremos cobrados.

Agora, seria muito triste não zelarmos, não administrarmos bem o que o Senhor nos confiou, os talentos: “a quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!”. É verdade! Deus nos confiou muitas coisas, Deus nos deu muitos dons, nos confiou uma obra... Portanto, temos que ser fiéis àquilo que Ele nos confiou, administrando bem todas as coisas, mesmo sabendo de nossas fraquezas e pecados, pois esta é a nossa missão!